Thursday, November 27, 2014

Passado simples em inglês - Forma afirmativa


O passado simples dos verbos ingleses na afirmativa é formado de duas maneiras: acrescentando-se –ed aos verbos regulares ou utilizando uma forma específica dos verbos irregulares. Assim.
Um problema para os falantes de português é pronunciar o –ed corretamente. Em geral, as pessoas pronunciam o ED, formando uma sílaba adicional que nem sempre está presente na pronúncia do verbo. Existem 3 formas de pronunciar o –ed:
O E some e o D é pronunciado D, como em played /pleid/.
O E some e o D é pronunciado T, como em worked /workt/.
O E é pronunciado como I breve (como em fish) ou, quando se fala rápido, com o som semelhante a um â, chamado de schwa em inglês; o D é pronunciado como D mesmo. Isso ocorre com os verbos regulares  terminados em som de D e T:
Plant – planted /pléntid/ ou /pléntâd/
Need – needed /nídid/ ou /nídâd/
É preciso praticar bastante para pronunciar corretamente. Comece praticando os sons do T e do D. E do I (como em fIsh) aqui.
Em seguida, ouça uma aula em inglês sobre a pronúncia do –ED aqui no site da BBC (aula em inglês) leia e ouça outra aqui (com exlicações em português. Depois, teste sua aprendizagem aqui.

Quanto aos verbos irregulares, é preciso memorizar suas formas, pois não há regras. Existem inúmeros modos de memorizar os irregulares. Acho que o uso constante é a melhor maneira, ou seja, empregando os verbos num contexto real.
Quando isso não é possível, exercícios, com certeza, ajudam.
Os exercícios de repetição sempre me ajudaram , mas você precisa ver se gosta desse tipo de atividade. Eu adorava repetir assim.  Aprendi tudo e nunca mais esqueci. Claro que nunca parei de praticar, evidentemente.
Outro modo de repetir, mas um pouco mais divertido, é em jogos como este e este. Ou, para praticar com algum contexto, fazendo exercícios assim.
Para praticar em contextos maiores, que ajudam na memorização, vale a pena fazer exercícios assim.

Bom, acho que isso já é diversão suficiente para um fim de semana inteiro!
Então, have fun!

Tuesday, November 25, 2014

O Passado Simples em Inglês com Manteiga



O passado simples em inglês só é simples no nome... :-)
Na verdade, é na interrogativa e na negativa que a coisa se complica, por causa do uso do auxiliar DID, para o qual não existe correspondência em português.
Mas não temam! Nada que muitas horas de treino e estudo não resolvam!    :-)
Para quem já tem um conhecimento básico de inglês, sugiro algumas aulas de vídeo, muito claras e didáticas, que achei no YouTube. A professora Jennifer tem uma pronúncia deliciosa e explica com exemplos e exercícios como funciona esse tempo de verbo. Além disso, ensina como pronunciar o -ed final dos verbos regulares.
A única coisa ruim das aulas da Jennifer é ver que ela come ovo frito em um tantão de manteiga, de noite (!), e ainda continua seca de magra. Que raiva! Grrrrr!
Fora isso, bons estudos!
Aula 1 -
Aula 2 -
Aula 3 -
Aula 4 -

Monday, November 10, 2014

Numa open house entra quem quer

Quando forem inaugurar a casa nova, não digam que vão fazer uma open house, ou vou me sentir no direito de levar a família inteira para comer de graça! :-)
Open house é termo que corresponde a "aberto à visitação" em português, para indicar que uma casa pode ser visitada por interessados em comprá-la ou alugá-la. Nas casas à venda no Brasil vemos placas assim:

Casa em exposição
ou
Corretor de Plantão

Nos Estados Unidos vemos:
Open House

Ou seja, se vocês forem fazer uma open house, quer dizer que qualquer um passando na rua pode entrar. Então, cuidado!

A expressão adequada para dizer em inglês inauguração de casa ou apartamento é "housewarming", que significa algo como "fazer o esquenta da casa".
"You're invited to my housewarming (party)" significa "Você está convidado/a para a festa de inauguração da minha casa."
Se quiserem usar a expressão em inglês, digam: "Vou fazer um housewarming." E não: "Vou fazer uma open house."
Mas que tal dizer em bom português: "Vou fazer a inauguração da casa"?
Algumas pessoas acham chique usar palavras em inglês, mas acabam criando o efeito contrário, pois dizem algo que confunde em vez de explicar.  Trocando em miúdos: Se você diz "vou fazer uma open house da minha casa nova" para alguém que não sabe inglês, vai constranger a pessoa pois ela terá de perguntar do que se trata. E, se você disser a mesma coisa para uma pessoa que sabe inglês, ela vai pensar que você está abrindo sua casa para visitação de possíveis compradores.
Então, na dúvida, consulte sempre um professor de inglês! :-)

 O site do convite gratuito é aqui.

Tuesday, November 04, 2014

Quando foi que laquê virou hair spray?

Conforme o tempo passa, por várias razões, algumas palavras deixam de ser usadas e são esquecidas. Só continuam existindo no museu das palavras. Com as gírias é muito comum isso acontecer. O que hoje é brehga, na década de 70 era boko moko, gíria inventada para anunciar uma marca de refrigerante. Quem não tomava a bebida gasosa era boko moko, não tinha bom gosto, estava por fora, ou out, como se diz hoje em português (???!!!?)


Mas há palavras que não são gíria e mesmo assim desaparecem ou são substituídas por outras.
Por exemplo, quem aí ainda compra creme rinse?  Novidade mercadológica na década de 70 (pelo menos lá em casa, onde toda novidade chegava com anos de atraso pela falta de dinheiro...), o creme rinse servia para deixar os cabelos mais desembaraçados depois da lavagem. Era um creme de enxágue (que falta ainda sinto de colocar o trema nos grupos gue, gui, que , qui em que o u é pronunciado...Fica parecendo que usei xampu mas ficou faltando creme rinse). Rinse em inglês é enxaguar. Claro que estou falando do atual condicionador. Quando creme rinse virou condicionador eu não sei. Mas é uma mudança boa: de duas palavras para uma e, caso raro no Brasil, uma palavra em inglês substituída por outra, também vinda do inglês, mas com pronúncia e grafia já abrasileiradas. Verdadeiro milagre.
Quem cresceu ouvindo dizer creme rinse corre o risco de deixar o termo escapar por aí e ter de arcar com as consequências (ai, que saudade do trema!). Uma delas é não ser compreendido na farmácia e a outra, ser tachado de velho!

Eu mesma passei por uma saia justa um dia em que entrei em uma loja para comprar condicionador e na minha memória só vinha creme rinse! Entre dar pista da minha idade e passar por maluca, me refugiei na segunda opção. Comecei a rodopiar pela loja apontando e balbuciando: Querooooo, queroooo, ééééé, querooo... Até que achei o vidro e disse: Aquilo ali. A vendedora me olhou meio espantada. Acho que dei uma de lelé (outra palavra em desuso?). Mas não entreguei a idade! :-)

Uma outra situação foi quando precisei comprar meias e pedi à vendedora um par de meias fumê.  A vendedora me perguntou: "O quê?". Repeti mais alto: Fumê!, achando que ela não tinha me ouvido. Ela me respondeu: "Não conheço que meia é essa". Eu, muito surpresa, pensei: isso é que dá não ensinarem mais francês na escola. Fumê vem de fumée, esfumaçado. Até aquele dia eu achava que a cor entre preto e cinza se chamava fumê, como eu havia dito toda a minha vida. Expliquei para a atendente que se tratava de uma cor e pedi para ela me mostrar quais havia na loja. Então, de novo, usei o recurso de apontar. Ela me disse, aliviada: "Ah, tabaco!" Mais um ponto para a língua portuguesa! Uma palavra de pronúncia estrangeira (fumée, do francês)) substituída por uma também de origem estrangeira (tabaco, do árabe), mas com a pronúncia e grafia já abrasileiradas o que, portanto, facilita a comunicação.

E isso aconteceu no mundo da moda, em que o caminho costuma ser o contrário: tiram a palavra em português e colocam uma em inglês, geralmente, para ficar mais chique... Nesse caso, saiu a palavra de origem francesa e entrou uma palavra já constante do dicionário da língua portuguesa.

Mas afinal, que palavras usadas por falantes brasileiros  são genuinamente portuguesas? Será que isso existe? Afinal, o português veio galego e do latim vulgar , que já era uma variação do latim clássico. E nosso belo idioma tem constantemente se enriquecido com vocábulos do grego, do árabe (de onde vem tabaco), do francês, do italiano e de muitas outras. Portanto, achar que é possível termos uma língua pura, sem interação com outros idiomas é uma bobagem. O que eu defendo é que não usemos palavras emprestadas de outras línguas quando já temos um vocábulo consagrado (de uso corrente) em nosso idioma. Isso acaba criando confusão, dificultando a comunicação e excluindo quem não participa do grupinho que usa o termo substituto para algo que já tem um nome na língua corrente (por exemplo: chamar roxo de beringela, ou rosa choque de pink, ou, mais recentemente, chamar a cor gelo de off-white... Poupe-me!)

Bem, voltando ao tema das palavras que somem...
Se quiser tomar uma vaia (termo antigo para pagar um mico), vá ao cabeleireiro (Ou é boko moko chamar cabeleireiro de cabeleireiro? Preciso dizer hair stylist?) e peça para ele passar laquê no seu penteado (me dei conta de que não sei como se fala penteado hoje em dia... parece uma palavra antiga...acho que atualmente se diz cabelo: vou fazer um cabelo para o casamento...hahahaha... engraçado dizer fazer um cabelo, mas acho que é assim que se diz agora... fazer penteado: out, fazer cabelo: in!)
Pior que esse mico, só sair  para passear de touca ou bobs no cabelo...

Para onde vão as palavras quando ficam velhas?

Mário Sérgio Cortella afirma que as pessoas não ficam velhas. O que fica velho é aparelho de TV (ou televisor, como se dizia na minha infância), geladeira, fogão. O homem se renova a cada dia, se torna novo a cada mudança. É uma bela visão e tenho de concordar com ela. Se tivermos o cuidado e a sorte de que nossa mente não se degenere, podemos nos fazer novos a cada dia, como a avó de uma grande amiga minha que, aos mais de noventa anos, dizia que só iria para o asilo quando ficasse velha. Ou como a mãe de Caetano Veloso, que ao completar um centenário de vida disse que só iria comer mingau no dia em que ficasse velha. Que mingau é comida de doente e de idoso e ela não é nenhuma das duas coisas. Que maravilha envelhecer assim! Ou seria melhor dizer "que maravilha rejuvenescer assim"?
Mas esse é um blog sobre palavras, então, vamos a elas.

Numa comparação com a visão que temos no Brasil e em muitos países ocidentais, as pessoas idosas caem em desuso, não servem mais, a não ser para atrapalhar. Ficam esquecidas e abandonadas. Assim é com algumas palavras também. Muitas, na verdade!

As palavras também são abandonadas com o tempo. Ninguém mais se lembra de algumas delas, que ficam vivas apenas na memória das pessoas mais velhas ou acabam indo para o museu das palavras. A palavra escrita, no meu modo de ver, é o museu das palavras que caem em desuso na boca do povo. 
Quando paramos de falar certas palavras, elas somem das conversas, dos noticiários, dos programas de entretenimento e só permanecem vivas nos livros, revistas, jornais, páginas de Internet e outras publicações antigas. Ninguém se lembra delas a não ser que "visite" um desses "museus". Na leitura encontramos palavras de que já não nos lembrávamos mais ou que nunca havíamos ouvido antes, como quando lemos Machado de Assis ou mesmo um jornal ou revista de 10 anos atrás...
Ainda bem que temos a língua escrita para manter viva a riqueza do nosso vocabulário e para nos mostrar as mudanças pelas quais o idioma passa. Nós o usamos e o modificamos e também somos modificados por ele. Ainda bem que temos na palavra escrita um museu das palavras, para manter essa memória viva!