Saturday, May 20, 2017

Como melhorar seu raciocínio





Nós, professores, temos de saber que todo conhecimento científico é provisório. Precisamos ensinar aos alunos formas de aprender com capacidade de crítica e autocrítica. E temos de praticar diuturnamente o que ensinamos. Precisamos de fundamentos teóricos fortes para sustentar nossa prática, mas sem nunca esquecer que esse conhecimento vai ser sempre superado em algum momento da História. E muitas vezes ao longo de nossa vida profissional.
Tenho trabalhado há quase duas décadas com a Experiência de Aprendizagem Mediada, que prepara o aluno para pensar cientificamente, de forma lógica, para resolver os problemas do cotidiano, sejam eles simples, como calcular quantos pães comprar para o café da manhã até a como argumentar de forma adequada para ter sucesso em negociações complexas ou como aprender um idioma estrangeiro.
Tudo isso é possível a partir da Teoria da Modificabilidade Estrutural Cognitiva, do psicólogo romeno, Reuven Feierstein. 
Se quiser saber mais, deixe suas perguntas no campo dos comentários. Vou adorar responder!

Wednesday, May 03, 2017

A frustração faz parte da vida

Faz um tempo escrevi um texto aqui sobre como precisamos aprender a conviver com a frustração para podermos aprender um idioma (ou qualquer outra coisa, na verdade).

Um leitor, na ocasião, achou a palavra frustração muito forte. Escreveu ele: "Ana, gostei do texto. Só nao agradei do verbo que voce usa: frustrar.

Acho que nao seria a palavra adequada. É pessimista. E pode causar erros de compreensao. Da a impressao de que aprender outro idioma voce sofre ou que aprende sofrendo.

Acredito que o sentido que voce quis dar a palavra, é o mesmo que esforço e dedicaçao."

Achei o comentário muito bom para retomar a discussão, ainda que muito tempo depois.

A palavra que usei foi escolhida de propósito. É de frustração mesmo que estou falando. Para mim, a frustração é um sentimento que nos acompanha desde o nascimento: o que é o primeiro choro do bebê a não ser a frustração de ser arrancando daquele lugar quentinho e seguro onde morou por nove meses e ser envolvido pelo barulho ensurdecedor e o frio do mundo "aqui fora"?
Conforme vamos crescendo, vamos aprendendo, na família e na sociedade, como lidar com essa emoção que nasce conosco. Dependendo da educação que tenhamos, podemos aprender a usar a frustração para nos desafiar, para tentarmos ser melhores, para avançar. Ou podemos aprender a espernear, xingar, culpar o outro e desistir.
Para aprender um idioma, você primeiro precisa saber em que categoria se encaixa. Se costuma desistir quando se frustra, provavelmente não vai aprender um idioma estrangeiro ou vai aprender com muito sofrimento. 
Agora, se você é daqueles que usa a raiva por não ter conseguido algo para servir como força propulsora para tentar novamente e com mais determinação, então, provavelmente, vai gostar dos desafios que toda aprendizagem de uma nova língua  apresenta. E o aprendizado vai ser um prazer.

Se quiserem saber o que outras blogueiras acham do assunto, vale a pena ler o texto da Sandra Barros, psicóloga e coach e da jornalista Eliane Brum.

Gostaria muito de ler sua opinião sobre o tema aqui! Não me frustem por favor... :-)
Beijos e obrigada, leitores. 


Fonte do Clipart gratuito do frustrado aí em cima.