Sunday, July 03, 2016

Estraguei a piada

"Estraguei a piada". Foi essa a desculpa que o Senador norte-americano, John Kerry, deu ao explicar por que havia dito, num comício (rally) numa faculdade, que, se os alunos não estudassem, poderiam acabar lutando no Iraque. Se ele estava mesmo brincando ou se estava fazendo pouco dos soldados norte-americanos, não podemos saber.

Já, para saber como dizer estragar uma piada em inglês, basta continuar lendo aqui:


"John Kerry said he botched a joke. " (John Kerry disse que estragou/contou mal a piada.)

Botch vem do inglês medieval (falado entre os anos 1100 e 1500) e, naquela época, significava o contrário do que significa hoje. Botch hoje em dia quer dizer arruinar. Na época do descobrimento do Brasil significava o oposto: consertar.


No Brasil, ultimamente, muitas coisas (e políticos) também têm virado o oposto do que eram antigamente.

Vejam o que aconteceu com a palavra elite...Antes, elite era uma coisa boa, algo que todos almejávamos ser, ou seja, os melhores em alguma categoria, por exemplo: a elite intelectual de um país; elite de atletas. Hoje, elite quer dizer um grupo de privilegiados milionários que só fazem explorar o povo pobre. Pelo menos é assim que pensam alguns políticos e intelectuais brasileiros.

No dicionário, entretanto, a definição de elite continua sendo a mesma:


do Fr. élite, o que há de melhor numa sociedade ou num grupo
Isso é só para mostrar que cada um faz o que quer com a própria língua: a de carne e a da pátria. :_)

Wednesday, May 25, 2016

Bombar hoje em dia é coisa boa...

Quando estava na escola, ninguém queria bombar. Antigamente isso significava reprovar, não passar de ano. Repetir de ano não é nada gostoso, é como uma bomba. Bomba boa, só de chocolate.


Em inglês, repetir de ano é failflunk (ou flunk out).

Acho que em português de São Paulo, Brasil,  a expressão coloquial mais comum para ser reprovado na escola seja tomar pau (que acho muito feia!). Eu traduziria ser reprovado por fail e tomar pau por flunk out, que é mais informal que fail.

Bomb também existe em inglês como sinônimo de repetir de ano, embora não seja usada com frequência hoje em dia. A partir dos anos mil novecentos e noventa, surgiu a gíria "the bomb", com o sentido de "o máximo, muito bom". Ou seja, mesma palavra com sentidos totalmente opostos.

Faz um tempo que bombar virou coisa boa no Brasil também. Informalmente se usa a gíria para indicar um local ou evento que está lotado e animado ou que seja um sucesso:

A festa bombou ontem!
Meu escritório está bombando de cliente!
O restaurante está meio vazio, mas o bar está bombando!

Em inglês podemos dizer bombar de várias maneiras:

A festa está bombando:
The party is happening. (Literalmente: A festa está acontecendo.)
The party is popping (pop quer dizer estourar e a palavra vem da expressão popping at the seams = arrebentando nas costuras, ou seja, acima da capacidade máxima).
Ou:
The party is hopping (hop é saltar e creio que tem a ver com o movimento de dança). Essa dica quem me deu foi o professor Steve Ford. Em referência a uma festa, balada ou show, hopping quer dizer cheio de gente, ou seja, bombando.
Hop também pode ser usado para descrever uma ocasião em que as pessoas se reúnem para dançar. Nesse caso, hop também é uma boa tradução para a gíria balada em português.
Fomos a uma balada ontem. We went to a hop yesterday. (Pode ser em um bar, por exemplo, com música e dança.)
Se a balada for em clube e não em um bar com música, podemos também dizer: 

I went clubbing yesterday.
Assim, gosto de ir para balada, em inglês fica: I like to go clubbing. Gosto de balada = I like clubbing.
Agora, o conselho da professora: Não percam muito tempo clubbing para não acabar flunking out!






Wednesday, April 27, 2016

Aprendizagem mediada - O que é isso?


APRENDIZAGEM MEDIADA

O processo de mediação desenvolvido pelo psicólogo romeno Reuven Feuerstein a partir de suas teorias sobre modificabilidade cognitiva estrutural e experiência de aprendizagem mediada permite detectar e corrigir problemas ou dificuldades no funcionamento cognitivo de pessoas que necessitam ou desejam aumentar sua motivação e ampliar sua capacidade de raciocínio, de solução de problemas e de tomada de decisões.

Segundo Feuerstein, o mediador é vital no processo de ensino-aprendizagem, uma vez que é ele quem seleciona e amplia recortes da realidade para motivar o mediado a fim de que, em sua interação com o mundo que o rodeia, aprenda a aprender.

Com base nas teorias de Feuerstein e segundo seus critérios de mediação, o mediador pode trabalhar as funções cognitivas em sala de aula, em casa, ou na empresa, utilizando os recursos disponíveis.

Na empresa, por exemplo, é possível para o mediador, ao interagir com os mediados, diagnosticar deficiências cognitivas e capacitá-los para auto-regularem seu comportamento cognitivo, tornando-os aptos a reconhecerem e acessarem as funções cognitivas que necessitam mobilizar para melhorar seu desempenho profissional. Além disso, como o programa enfatiza a eficiência da comunicação oral, a interação entre indivíduos e grupos aprimora-se.

Nas aulas de inglês e português, utilizo essa abordagem para verificar se o aluno erra por não conhecer o conteúdo ou por não conseguir acessá-lo ou comunicá-lo adequadamente. Muitas vezes, ao ensinar o aluno a melhor utilizar o conhecimento que já possui, suas notas melhoram na escola ou, em outro exemplo, ele passa a ficar mais motivado para comunicar-se no idioma estrangeiro.

Monday, March 21, 2016

Feliz Páscoa! Happy Easter!


O tempo voa quando a gente está se divertindo! (Em inglês: Time flies when you’re having fun!)

O Carnaval veio e se foi e a Páscoa já vem vindo aí. Esse é meu feriado favorito em virtude do alto teor chocólico! ☺

Para quem dá aulas para crianças, existem muitas atividades divertidas e bonitinhas de Páscoa aqui.

Outra brincadeira divertida são os trava-línguas (em inglês, tongue-twisters), que aparecem aqui.

O professor pode criar os próprios jogos e exercícios aqui. Leva tempo, mas vale a pena.

Para adultos e crianças existem atividades variadas, inclusive textos para diversos níveis sobre a Páscoa, aqui.



Boa diversão e Happy Easter!

Thursday, March 03, 2016

Pronúncia em inglês - como achar


Tenho visto que muitos leitores entram no meu blog a partir de buscas que fazem na Internet. Frequentemente, as pessoas fazem buscas sobre “como se pronuncia ... em inglês”.
Assim, para ajudar esses leitores, aqui vai a dica:
Sempre que quiser saber como se pronuncia determinada palavra em inglês, vá a um dos muitos dicionários gratuitos online que tenham o som da palavra em arquivo de áudio, digite a palavra e clique no ícone do alto-falante que aparece diante da palavra.
Os dicionários que costumo recomendar são:
http://www.howjsay.com/ (Neste você tem que digitar a palavra, clicar ENTER e depois passar o cursor sobre a palavra quantas vezes precisar, até memorizar a pronúncia).
http://dictionary.reference.com/
http://www.thefreedictionary.com/



Boas buscas!

Monday, February 29, 2016

Como aprender inglês (ou outra língua)

Muitas pessoas me perguntam qual a melhor maneira para aprender inglês. Minha resposta é sempre a mesma: depende...
Para quem é adulto, o principal é ter disciplina e não acreditar em mitos.
Há pesquisas que demonstram que, para quem mora em um país onde o inglês não é a primeira língua,  é mais fácil para o adulto aprender do que para a criança, ao contrário do que reza o mito popular. Assim, a afirmação de que se aprende com mais facilidade quando se é criança só é estatisticamente válida quando se mora em um país de língua inglesa.
Então, adultos, deixem de lado essas crenças infundadas, arregacem as mangas e peguem o mouse!
Aqui vão dicas para quem não sabe nada ou sabe muito pouco de inglês e que não fala nenhum idioma além do nativo português:
1) Acostume-se com os sons do inglês. Há sites gratuitos que podem ajudar:
a) Neste, clique no ícone do alto-falante para ouvir a pronúncia do som. Quando há diferença entre a pronúncia americana e britânica, clique no botão correspondente para comparar. AM = americana; BR = britânica.
Ouça e repita tantas vezes quantas achar necessário até se sentir confortável pronunciando os sons e palavras. Vá fazendo isso até se sentir bem pronunciando todos os sons do idioma.
Para quem precisa de variedade para se manter motivado, é só alternar a prática da pronúncia com as outras dicas que dou aqui.
2) Em seguida, aprenda os nomes das letras em inglês. Este site aqui é para crianças, mas é bem instrutivo. Saber pronunciar as letras é muito útil em viagens, quando temos de soletrar nosso nome, por exemplo, o que é frequente em hotéis ou para fazer reservas em restaurantes.
3) Saber entender e falar os números também muito útil em viagens.
4) Quando estiver confortável com os sons, letras e números, comece a treinar mais vocabulário básico, como os nomes de alguns alimentos, por exemplo. Sempre é bom saber pedir o que comer numa viagem, certo? Saber as partes do corpo também é útil. Vai que a comida não caia bem, é bom saber dizer para o médico onde dói! :-)
5) Ouça músicas em inglês, aprenda as letras e cante junto! Isso tem um potencial enorme para melhorar seu vocabulário e compreensão oral, além de ajudar no desenvolvimento da fluência. As palavras aprendidas com música fixam-se muito mais em nossa memória do que as aprendidas pelos métodos tradicionais. Descubra mais sobre esse modo de aprender idiomas aqui.
E inscreva-se gratuitamente aqui no blog, para receber as atualizações. Deixe suas dúvidas e comentários. Vou adorar ler! Beijos e bons estudos!


Clipart do apaixonado pelo computador aqui.


Seje é como boitatá... tem gente que jura que já viu, mas não existe!

O boitatá é uma figura do folclore brasileiro. Muitas pessoas que vivem perto de matas juram que ele existe, que já viram, que o vizinho já viu...
Meu pai, que viajava muito pelo interior do Brasil, me explicava que a tal da cobra de fogo não passava de fogo fátuo, ou seja, de gases incandescentes que se desprendem das carcaças de animais em decomposição. Ele ria e dizia: "Isso que falam que é boitatá é fogo fátuo."
Penso nisso sempre que escuto alguém dizendo seje. Tenho vontade de avisar: "Olhe, você já deve ter ouvido isso em algum lugar, seu vizinho pode jurar que existe, você já pode até ter visto escrito, mas seje é que nem o boitatá: não existe!"
Explico melhor.
A forma do verbo ser nos modos imperativo (quando se dá uma ordem ou sugestão ou se exprime um desejo, por exemplo) e subjuntivo (quando se expressa desejo ou dúvida) rima com a do verbo ver:
Veja - Seja
Seja um bom aluno e aprenda que seje é como boitatá: não existe!
Então, cuidado ao escrever ordens ou fazer votos:
Escreva:
Desejo que você seja feliz em 2016.
Veja meus votos para você em 2016: Seja Feliz!
Que em 20106você seja ainda mais feliz!
E que meus leitores sejam sempre cada vez mais interessados na nossa bela língua portuguesa!
Clipart de boitatá existe, e está aqui.