Tuesday, July 07, 2009

Aprender de novo


Depois de muitas tentativas frustradas de aprender espanhol por conta própria, resolvi me disciplinar contratando uma professora particular, ótima, por sinal!
Gente, como é duro começar do zero ou quase isso.
A primeira aula foi há 24 horas e ainda estou pensando no assunto...
Como é frustrante se degladiar com os sons de uma língua nova. Embora nunca tenha deixado de me lembrar dessa dificuldade sempre que ensino inglês para iniciantes, fazia tempo que não sentia na própria pele. Só na pele dos outros... Acho que isso é um dos fatores que mais requerem cuidado, atenção e empatia da parte de professores de línguas: solidarizar-se com as dificuldades dos alunos, principalmente aquelas que os fazem sentir como crianças tatibitates.
Pois foi isso que senti na minha estréia no espanhol e que é uma língua um tanto quanto próxima do português. Vocês imaginam, professores, como seus alunos se sentem ao terem de dizer theater pela primeira vez? Vocês se lembram como foi difícil para vocês? Não? Pois inscrevam-se rapidinho num curso de língua estrangeira. Sugiro francês ou alemão, se acharem que espanhol é fácil. É um excelente exercício para nos ajudar a nos sentirmos no lugar do outro, para melhor empatizarmos e ajudarmos como professores.
Minha próxima aula é daqui a uma hora. Uy, qué nervios! :-)

2 comments:

Maria Luiza Scatena said...

Oi Ana, como seria gratificante se todo professor prestasse atenção nas suas dificuldades.. Nem precisa ser no aprendizado de uma nova língua. Acredito que seria o feliz inicio de uma nova era educacional. Os aprendizes com dificuldades e disfunções com certeza seriam chamados pelo seu nome próprio e não mais por: aquele preguiçoso da terceira B.Um abraço e meus parabéns por seu trabalho. Obrigada por compartilhar suas experiências que aumentam a nossa esperança de ver um outro sistema educacional..

Maria Luiza Scatena said...

Oi Ana, como seria gratificante se todo professor prestasse atenção nas suas dificuldades.. Nem precisa ser no aprendizado de uma nova língua. Acredito que seria o feliz inicio de uma nova era educacional. Os aprendizes com dificuldades e disfunções com certeza seriam chamados pelo seu nome próprio e não mais por: aquele preguiçoso da terceira B.Um abraço e meus parabéns por seu trabalho. Obrigada por compartilhar suas experiências que aumentam a nossa esperança de ver um outro sistema educacional..