Sunday, January 22, 2012

E o que mais falta?

Vejam esta manchete de jornal: "Falta passistas altos nas escolas do Rio."
Pergunto aos leitores: E o que mais falta?
Alguns poderiam dizer que falta assunto ao jornal, já que a manchete não é lá muito relevante, mas, como este é um blog sobre idiomas, a manchete serve para chamar atenção para uma falta  que vejo surgir cada vez com mais frequência em jornais, revistas e televisão; na Internet e redes sociais, então...
Estou falando da falta da concordância entre sujeito e verbo.
Pela gramática normativa, ou seja, aquela que dita as normas sobre como a língua culta deve se articular, o sujeito sempre deve concordar com o verbo em número. Explicando melhor: se o sujeito está no singular, o verbo deve ficar no singular; sujeito no plural concorda com verbo no plural.
Por exemplo:
A menina é campeã de natação.
Os meninos correm atrás da bola.

O problema acontece quando o sujeito aparece depois do verbo, como em "Falta passistas altos nas escolas do Rio." O sujeito é passistas, mas está depois do verbo. Mesmo assim, a regra é a mesma. O verbo precisa concordar em número com o sujeito, ficando a oração assim: FaltaM passistas altos nas escolas do Rio.

Outros exemplos:
Falta  um mês para o Carnaval e o Rio tem uma carência de passistas altos para as escolas de samba.
Faltam poucos dias para o Carnaval e o Rio precisa de passistas altos para as escolas de samba.

Espero que esse post ajude a resolver pelo menos um problema de falta: a de concordância verbal; quanto à falta de passistas altos, sinto não poder ajudar. :-) Alguém se habilita? :-)
Gostaram do post? Deixem aqui seus comentários, dúvidas ou sugestões. Vou adorar ler!


Free clipart here.

Wednesday, January 18, 2012

Prepare-se para o TOEFL

Para preparar-se para o TOEFL, o exame que atesta o nível de suas habilidades lingüísticas em inglês, o ideal é primeiro avaliar seu nível e confrontar com o nível desejado. Se for para um trabalho ou para fazer um curso no exterior, a empresa ou a escola geralmente determinam qual o score mínimo para ser aceito.
A partir daí, é preciso traçar um plano de estudo e metas intermediárias a serem alcançadas durante o processo.
Sozinho, ou com a ajuda de um professor, o candidato deve avaliar quais áreas precisam ser aprimoradas: compreensão oral, fluência, leitura ou redação.
Além disso, é preciso conhecer bem o exame e fazer simulados completos com freqüência, pois o score pode ficar prejudicado se o aluno não estiver acostumado a ficar sentando respondendo a perguntas escritas e orais em inglês por cerca de 4 horas seguidas, com intervalos curtíssimos entre uma sessão e outra da prova.
Para saber como é o exame, registre-se de graça no site oficial da empresa que realiza o TOEFL. Com o registro feito você terá acesso a um tour pelo exame. Além disso, há também free samples (simulados grátis) de partes do exame que ficam disponíveis assim que você entra com seu log in após registrar-se.
Depois, reserve duas horas seguidas em ambiente sossegado e faça um teste inteiro sem intervalo (compre ou empreste o Guia Oficial do Toefl). Ao final do teste você receberá um score inicial estimado de seu nível.
Compare esse resultado com o score que deseja alcançar e planeje seu tempo de estudo, que deve ser diário.
Há testes que podem ser comprados no site oficial, mas já aviso que diversos alunos meus receberam o software em CD com esses materiais, mas o CD não roda nem por decreto. Assim, se houver a opção de baixar o material direto para sua máquina, prefira essa versão, ou compre o  Guia Oficial.

O site oficial oferece a possibilidade (paga!) de se fazer um simulado e receber o score detalhado de cada sessão da prova. Para quem quiser fazer esse investimento, acho que vale a pena, pois é o único site com simulados criados pela mesma instituição que oferece o exame.
Faço um alerta aqui que há vários sites com simulados que podem servir para praticar, mas, para se ter uma ideia mais aproximada de qual seria o score real do candidato, recomendo fazer os simulados publicados em livros publicados pela ETS ou no site da ETS. Digo isso com base em minha prática, pois não tenho qualquer vínculo com a empresa.
Além disso, o candidato deve levar em consideração que, de acordo com estatísticas da própria ETS, os resultados finais, comparados aos dos simulados, podem variar em até 14%, para cima ou para baixo. Ou seja, se em um simulado você conseguir 100 pontos, por exemplo, no exame real essa nota pode ficar até 14% maior ou menor. Na minha prática observo que, por conta dos fatores emocionais no dia do exame, as notas tendem a ser menores, embora haja pessoas que consigam notas maiores no exame real do que nos simulados.
Tudo isso deve ser levado em conta por quem está se preparando. Por isso, sempre é bom ter o acompanhamento de um especialista, não necessariamente para aulas, mas  para orientação sobre qual estratégia seguir. Pessoas menos disciplinadas em geral vão precisar de uma tutoria mais específica, com aulas semanais.
Se quiser saber mais, deixe sua pergunta aqui. 





Clipart gratuito aqui.

Wednesday, January 11, 2012

O que o TOEFL exige e como preparar-se

O TOEFL (Test of English as a Foreign Language) passou por muitas mudanças desde 1991, quando comecei a preparar alunos para o exame.
A última mudança, implantada no Brasil a partir de outubro de 2006, foi a que mais me agradou. Acho que o exame ficou mais difícil, porém mais adequado para avaliar as habilidades lingüísticas do aluno. Também acho que passou a exigir habilidades de raciocínio mais elevadas do que as necessárias anteriormente, quando a memória era a capacidade preponderante.
Hoje em dia, para estar bem preparado, o aluno precisa saber, além do inglês, como extrair e resumir conteúdo de textos escritos e orais. Isso requer o uso de funções cognitivas como, por exemplo, levantamento de dados com precisão e exatidão, a consideração de mais de duas fontes de informação e a discriminação entre dados relevantes e irrelevantes, para citar apenas algumas. Tudo isso tem de ser ativado muito rapidamente, pois o tempo de cada resposta na prova é curtíssimo, se comparado ao tempo que costumamos ter nas provas e exames no Brasil. Assim, o aluno precisa desenvolver essas habilidades juntamente com seu conhecimento de língua inglesa, se quiser obter um bom resultado.
Creio que a melhor abordagem para preparar alunos para esse formato do TOEFL seja a da Experiência de Aprendizagem Mediada, com a qual tenho obtido excelentes resultados. Para quem quiser entender como funciona, basta clicar aqui.
Conhecendo como seu raciocínio funciona, o aluno pode se apropriar das estratégias com muito mais rapidez do que em outras formas de estudo. E os resultados chegam mais rapidamente também. Mas que ninguém se engane: ainda assim é preciso muito treino e dedicação para obter um bom score.
Se tiverem alguma dúvida sobre este ou outros exames, deixem sua pergunta nos comentários. Vou adorar responder.


(Clipart gratuito aqui.)

Monday, January 09, 2012

Sites para aprender inglês básico e avançado

Para profesores, tradutores e alunos de nível intermediário superior e avançado, sugiro uma visita à página http://www.manythings.org/voa/rss/, que contém vários textos interessantes sobre temas diversos referentes à cultura e atualidades dos EUA. É possível imprimir o texto e ouvi-lo narrado.
Para quem tem nível básico, sugiro http://www.manythings.org/e/easy.html, com vários jogos divertidos para ampliar ou reforçar o vocabulário de iniciantes. Meus alunos gostam bastante desses jogos. Para alunos com dificuldades de atenção ou com hiperatividade, os jogos permitem bastante variedade em curto tempo. Além disso, eles podem escolher livremente os jogos de acordo com o interesse de cada um.
Em laboratório de informática, um aluno ou dois vão alternando-se no computador ou cooperando um com o outro para encontrar as respostas mais rapidamente. Gosto muito da idéia de dois alunos ajudando-se mutuamente, pois isso também ensina habilidades sociais.
Deixe aqui seus comentários se utilizar qualquer uma dessas sugestões, ok?