Friday, November 24, 2006

Palavras que me irritam_1


Governabilidade - Por que não dizer governo? Está em moda dizer que é preciso garantir a governabilidade do país.
Ora, até bem pouco tempo, essa palavra não constava do dicionário.
Governo vem de governar: exercer governo de; imperar em; dirigir; administrar, conforme nos informa o Aurélio. Portanto, por que não dizer "é preciso garantir o governo do país", ou seja, "garantir a administração, a direção, a condução do país"?
Senão, vejamos a seguinte situação:
Um carro trafega por uma estrada em dia de chuva e, ao passar em um buraco na pista, a barra de direção quebra-se. Pergunto: o veículo fica desgovernado ou desgovernabilizado?

21 comments:

Anonymous said...

Outra bem nessa linha é o palavrão "flexibilização".
RSRSRS Brasil, que país é esse mesmo?????
Leo

Guilherme said...

Eu ouvi uma esses dias, bem parecida... mas acho que é até pior... saudabilidade!!!

Beijos,
Gui

Ana Scatena said...

Flexibilização...disponibilização...
Ai*, como dói*!
Agora, saudabilidade é o quê?
Condição de ser saudável ou de ter saudade???? Guilherme, que lugares você anda freqüentando, hein? Que palavra feia! :-)

Guilherme said...

Pois é!! Essa foi das piores que eu já ouvi... e foi de uma pessoa "instruída", heheheh Mas, no contexto, era a condição de ser saudável mesmo. Agora, acho que pode ser de ter saudade também, fica a gosto do freguês...

Bjos

Ana Lucia Munhos said...

SAUDABILIDADE!!!!!!!!!!!
Fiquei surpresa ontem ao deparar-me com esta palavra no restaurante da empresa em que trabalho. A tal SAUDABILIDADE estava estampada em um cartaz muito bonito e grande na entrada principal. Curiosa, pesquisei e constatei que estava certa : não existe. É mais uma que somos obrigados a ouvir e ler diariamente, adaptada sabe-se lá de onde. O que me irrita é que agora serão mais 4800 pessoas que, mesmo que saibam ser incorreto o uso dessa palavra, a terão na memória. Quantos desses sairão de lá com a sensação de que é atual e "fashion"?

Ana Scatena said...

Pois é, Xará Lúcia (:-)
Saudabilidade na porta do restaurante dá até indigestão, não?
Beijos!
Xará.

Anonymous said...

O pior é que eu vou assistir a uma palestra amanhã que tem como título: Ingredientes para agregar saudabilidade a alimentos.

Estava até procurando na internet algo sobre saudabilidade para confirmar se essa palavra realmente existe.
Tem mesmo que ser muito corajoso para apresentar uma palestra com esse título em plena UNICAMP!!
Tem dó!
O pior é que muitas pessoas vão achar normal e vão passar a usar essa palavra.

Ana Scatena said...

Caro anônimo,
E no título da palestra ainda tem um "agregar", que virou uma praga. Hoje em dia ninguém acrescenta mais nada, só agrega. Até em receita culinária na TV as pessoas dizem: "Agora vou agregar o molho no macarrão"!!!
Fiquei pensando que seria tão mais comunicativo dizer, no caso do título da palestra:
"Ingredientes para aumentar as qualidades nutritivas dos alimentos". Mas aí, todo mundo ia entender, né?
Obrigada pela mensagem e depois me conte como foi a palestra. espero que não sirva para aumentar sua irritaBILIDADE...:-)

Bjs!

escriba77 said...

Ana, você está sentada? Tome esta daqui: "acessibilização". Pegou no meu fígado outro dia. Ou na "região hepática", como diria o Luciano do Valle nas lutas do Maguila.

Essa "obra" está exposta numa escola da Av. Indianópolis, em São Paulo. Olha só o tamanho da sujeira:

"Governo do Estado de São Paulo. Acessibilização da Escola Alberto Levy." E agora, governador José Serra? Desse jeito, vão achar que é coisa do Lulla!

escriba77 said...

Também tem a "arte-educação" e o "uso-dependente". Usaram um processo de formação de palavras que não existe em português! Só para macaquear os gringos! Por essa regra, não diríamos engenheiro civil, mas sim civil-engenheiro!!! Socorro, Stanislaw Ponte Preta!!! O Febeapá se instaurou de vez no Brasil!

abs

Silvio

Ana Scatena said...

Oi, escriba!
Pois você tocou numa palavra que me dói no FIGO, como diria o citado Maguila!
Por que não dizer "adaptação de acessos" ou "obra para facilitação de acesso". Sinceramente, acho que as pessoas que saem falando assim querem reinventar a roda (já que estamos falando em acesso...).
O duro mesmo vai ser o dia que o garotinho chegar em cada com a corrente da bicicleta quebrada e avisar: pai, minha bici tá com problema de rodabilidade!
Ai não vai mais ter remédio.
A vaca estará com um sério problema de brejabilidade!
Um abraço e venha descarregar a irritação aqui sempre que quiser.

escriba77 said...

Opa, eu escrevi também sobre as palavras em portinglês, como uso-dependente e arte-educador!!! Não chegou aí? Estudei bastante inglês, mas não foi para macaquear os súditos do Obamão, muito menos para entortar a língua pátria. Haja Deus!!! Se essa gente soubesse um mínimo do processo de formação de palavras em português, não perpetraria essas "obras"... Evoé, Ana!

Silvio Atanes
escriba digital & repórter de papel

escriba77 said...

Mas tem gente fazendo coisas muito boas, como tradução de filmes. Veja só esta pérola: O filme "Bater ou Correr", com Jackie Chan, chama-se no original "Shanghai Noon", que remete imediatamente a "High Noon", clássico do faroeste norte-americano de 1952. O legal é que, no Brasil, esse filme foi parodiado em 1954 como "Matar ou Correr", com o impagável Oscarito. Viva o trocadilho!!! Viva o tradutor, que pegou carona na versão do Oscarito!

Ana Scatena said...

Oi, Sílvio,

Que delícia ler seus posts!
Divertidos e instrutivos, como toda a vida devia ser.
Nossa, esse tradutor arrasou, não?
Pena que poucos podem apreciar o trabalho que o coitado teve. Depois querem que todos os tradutores nivelem o valor da lauda por baixo...
O outro comentário não chegou... :-(
Fica me devendo...

escriba77 said...

Ana, chegou, sim! É o das 6h57! Vai ver estava na Divisão de Censura e Diversões Públicas, o temido e nada saudoso DCDP!

Ah, já mandei cartas para os coleguinhas de imprensa. Tem gente que acha que "impagável" pode ser usado com o sentido de "que não tem valor", "inestimável". Essa acepção até está registrada no pai-dos-burros (ou será agora paidosburros??).

Porém, na prática, "impagável" é sinônimo, desde sempre, de "hilariante", ou até mesmo "infame". O Costinha, por exemplo. Fora o (a?) tsunami de palavrões, ele era um comediante impagável, sim senhor!

Outra expressão frequentemente (adeus, trema!) entortada é "figurinha carimbada". Isso significa "coisa rara ou difícil de ser achada". E não arroz-de-festa (arrozdefesta??), como amam dizer nossos colunistas!

Este humilde escriba mandou essa da figurinha e outras colaborações ao dicionário Caudas Aulete Digital. Você, que é tradutora, procure lá, pls, os verbetes "limerência" e "limerente". Foi uma forma de homenagear minha amiga -- e mecenas! -- Dorothy Tennov. R.I.P.

XXX

Sylvan "Woody" Woods
digital scribe & paper scribe

PS: Se quiser, posso mandar um trecho de um livro da Dra. Tennov para você.

Lia said...

Hoje ouvi pela primeira vez "saudabilidade"e vim procurar na Internet se havia ou não essa palavra. O infeliz que falou ainda disse que saudabilidade é o superlativo de saudável...ui...

Barbara said...

Saudabilidade é coisa de nutricionista. Hoje recebi uma propaganda de um curso com esta palavra. Deu um nó nos meus neurônios! Imagine se vou pagar por um curso de alguém que escreve assim!

Ana Scatena said...

Adorei seu texto! Por alguma razão, não recebi notificação da sua postagem. Adorei! Volte sempre. E quero uma cópia do capítulo, sim! Obrigada!

Ana Scatena said...

Hahahaha Eu também não me inscreveria! Volte sempre, Barbara. Beijo!

Silvio Atanes said...

Olá, Ana! Ói nóis aqui traveis! Se preparem, porque, logo mais, "vamos estar enviando" mais uma enorme lista de palavras que irritam! Tenho um monte de coisas que publiquei recentemente no Facebook. Obrigado por refrescar minha memória, eu nem me lembrava mais destes posts. Um grande abraço.

Ana Scatena said...

Oi, Silvio!
Aguardarei ansiosa!
Grande abraço!